terça-feira, 14 de agosto de 2012

Rio de Janeiro (RJ), Brasil - Centro

Um dos melhores passeios a se fazer no Rio é conhecer o Centro da cidade... Se você quer comprar; conhecer lugares de alto valor histórico para o Brasil ou ver como funciona o coração da cidade, nada como conhecer seu Centro. Pelo menos pra mim que sou um carioca morando em outro estado, foi um ótimo passeio pra me sentir mais carioca, hehehe!
Reserve um dia inteiro pra esse passeio, que mesmo assim não dará para conhecer tudo.

O Centro foi o primeiro bairro a surgir no Rio de Janeiro. Seu crescimento se deu em torno da Rua do Ouvidor e é considerado o coração financeiro da cidade. O Centro abriga fantásticas atrações turísticas, como a famosa estação Central do Brasil, a Praça XV, a Catedral Metropolitana, a Igreja da Candelária, o Theatro Municipal, a Confeitaria Colombo, o Paço Imperial, o Saara, entre outros. Além disso, o comércio é o mais intenso e competitivo da cidade, podendo-se conseguir bons produtos a bons preços.

 Praça XV

A praça é considerada um dos locais mais importantes da cidade do Rio de Janeiro, pois nela ocorreram, durante vários séculos, os acontecimentos mais significativos que afetaram o destino não só da cidade, mas também do país. Foi de uma sacada do Paço Real da Praça XV, em 1822, que D.Pedro I anunciou sua permanência no Brasil, no episódio conhecido como dia do Fico. E foi também no Paço da Praça XV, por exemplo, que a Princesa Isabel sancionou a Lei Áurea, em 13 de Maio de 1888, abolindo a escravatura.
A Praça faz parte do centro histórico do Rio e é margeada, de um lado, pela Baía de Guanabara e do outro pela Rua Primeiro de Março, ou antiga Rua Direita, que já foi uma das mais movimentadas e importantes da cidade.
Nela foi erguido o prédio do Palácio dos Governadores e da Casa da Moeda, futuras instalações do Paço Real e depois Imperial (por isso a antiga denominação). Foi o primeiro imóvel da cidade a ter vidros nas janelas. 

Chafariz do Mestre Valentim

Paço Imperial

Construído no século XVIII para residência dos governadores da Capitania do Rio de Janeiro, passou a ser a casa de despachos, sucessivamente, do Vice-Rei do Brasil, do Rei de Portugal Dom João VI e dos imperadores do Brasil. Atualmente é um centro cultural. Pela sua importância histórica e estética, o Paço Imperial é considerado o mais importante dos edifícios civis coloniais do Brasil.

Igrejas de Nossa Senhora do Monte Carmo e da Ordem Terceira do Carmo

A Ordem Terceira do Carmo funcionava no Rio de Janeiro desde o século XVII, ocupando uma capela próxima ao Convento do Carmo. A Ordem decidiu-se pela construção de uma nova igreja em 1752. O projeto é atribuído ao português Manuel Alves Setúbal, também construtor do edifício, com planta modificada por Frei Xavier Vaz de Carvalho. As obras se estenderam de 1755 a 1770, ficando as torres inacabadas. As torres atuais, com suas cúpulas bulbosas cobertas de azulejos, só seriam construídas entre 1847 a 1850 pelo arquiteto Manuel Joaquim de Melo Corte Real, professor de desenho da Aca
demia Imperial de Belas Artes.
 
 Interior da Igreja da Ordem Terceira do Carmo

 Interior da Igreja da Ordem Terceira do Carmo

 Interior da Igreja da Ordem Terceira do Carmo

A igreja é de nave única com corredores laterais com capelas laterais e capela-mor retangular. A talha dourada da igreja, de feição rococó, é muito valiosa. A decoração interna começou em 1768 com o entalhador Luiz da Fonseca Rosa, que a partir de 1780 foi auxiliado por Valentim da Fonseca e Silva (o Mestre Valentim). Mestre Valentim trabalharia na igreja até 1800. A Capela do Noviciado, construída à direita da capela-mor, é revestida por belíssima talha rococó de Mestre Valentim, uma de suas obras-primas, esculpida entre 1772 e 1773. As telas da capela são obra do pintor colonial Manuel da Cunha.
Entre 1829 e 1855 as paredes da nave foram preenchidas com talha pelo escultor Antônio de Pádua e Castro, o que deu ao interior um aspecto mais homogêneo. Também no século XIX se abriu uma pequena cúpula sobre a capela-mor para permitir a entrada de luz.

 
 ALERJ (Palácio Tiradentes)

A Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro ou simplesmente ALERJ é o órgão de representação popular do Poder Legislativo através dos deputados estaduais do estado do Rio de Janeiro.
Sua história começa em 1834, após a edição do Ato Adicional à constituição imperial e a criação do Município Neutro na área atualmente compreendida pela cidade do Rio de Janeiro, passando esta a ser separada da província.
Tão logo estabeleceu-se a capital dessa província na Vila Real de Praia Grande, hoje Niterói, fundou-se a Assembleia Legislativa da Província do Rio de Janeiro, responsável pela representação dos anseios do povo fluminense. Sua sede, até a 1919, ficava junto ao Paço Municipal de Niterói (compartilhando o prédio com a Câmara Municipal de Niterói, no Jardim São João, Centro da então capital, quando da criação de sede própria, situada na Praça da República de Niterói.
Após a promulgação da Lei complementar número 20, que decretava, em 15 de março de 1975, a fusão dos estados do Rio e da Guanabara, a ALERJ foi transferida do prédio da Assembleia Legislativa da Praça da República de Niterói para o Palácio Tiradentes, situado na Rua da Assembleia, no Centro da cidade do Rio de Janeiro, onde anteriormente funcionava a Assembleia Legislativa do Estado da Guanabara (ALEG), e antes a Câmara dos Deputados do Brasil, até o ano de 1960, quando da criação de Brasília.

 
 Confeitaria Colombo

A Confeitaria Colombo localiza-se no centro histórico da cidade do Rio de Janeiro, no Brasil, sendo um dos principais pontos turísticos da Região Central da cidade.
A confeitaria foi fundada em 1894 pelos imigrantes portugueses Joaquim Borges de Meireles e Manuel José Lebrão, tendo um extenso rol de clientes célebres entre a sociedade brasileira.
Sua arquitetura e ambiente permitem ter uma idéia de como terá sido a Belle Époque na capital da República. Entre 1912 e 1918 os salões do interior da confeitaria foram reformados, com um toque Art Nouveau, com enormes espelhos de cristal trazidos da Antuérpia, emoldurados por elegantes frisos talhados em madeira de jacarandá. Os móveis de madeira do interior foram esculpidos na mesma época pelo artesão Antônio Borsoi.
Em 1922 as suas instalações foram ampliadas com a construção de um segundo andar, com um salão de chá. Uma abertura no teto do pavimento térreo permite ver a clarabóia do salão de chá, decorada com belos vitrais.
Entre os clientes famosos da confeitaria estão Chiquinha Gonzaga, Olavo Bilac, Rui Barbosa, Villa-Lobos, Lima Barreto, José do Patrocínio, Getúlio Vargas e Juscelino Kubitschek, entre muitos outros.

Típica banca de revistas carioca, de uma dona de muito bom gosto.

Esse carro estava de passagem lá no centro, no dia que fomos, distribuindo Red Bull de graça... Imaginem a fila que se formou.

 Igreja de São Francisco de Paula

 Largo de São Francisco de Paula
Estátua do Conselheiro José Bonifácio e ao fundo o Instituto de Filosofia e Ciências Sociais (IFCS) da Universidade Federal do Rio de Janeiro

 
 Igreja de São Jorge

Catedral Presbiteriana do Rio de Janeiro
 
Catedral de São Sebastião do Rio de Janeiro

 A Catedral de São Sebastião do Rio de Janeiro, também conhecida como Catedral Metropolitana do Rio de Janeiro, foi inaugurada em 1979. Ergue-se no Centro da cidade do Rio de Janeiro, no Brasil.
Em estilo moderno, apresenta formato cônico, com 106 metros de diâmetro e 96 de altura e capacidade para 20 000 pessoas em pé.
A beleza da edificação, de linhas retas e sóbrias, deve-se aos vitrais coloridos rasgados nas paredes até a cúpula. Seu projeto e execução foram coordenados pelo Monsenhor Ivo Antônio Calliari (1918 - 2005).

 Edifício Sede da Petrobras

Theatro Municipal do Rio de Janeiro

O Teatro Municipal do Rio de Janeiro localiza-se na Cinelândia (Praça Marechal Floriano), no centro da cidade do Rio de Janeiro (RJ), no Brasil.
Inaugurado em 1909, como parte do conjunto arquitetônico das Obras de Reurbanização da Cidade do Rio de Janeiro (RJ), e abertura da Avenida Central, durante a prefeitura de Pereira Passos, exerce desde sua inauguração um importante papel para a cultura carioca e nacional, recebendo em seu palco importantes artistas, orquestras e companhias de Balet.

 Esquina do famoso bar Amarelinho da Cinelândia (fundado em 1921)

 Arcos da Lapa

O Aqueduto da Carioca, popularmente conhecido como os Arcos da Lapa, localiza-se na região da Lapa, no Centro da cidade do Rio de Janeiro, no Brasil.
Considerada como a obra arquitetônica de maior porte empreendida no Brasil durante o período colonial, é, hoje, um dos cartões postais da cidade, símbolo mais representativo do Rio Antigo preservado na região boêmia da Lapa. A imponente construção em estilo romano tem 17,6 metros de altura, 270 metros de extensão e 42 arcos em estilo romano , que ligam o bairro de Santa Teresa ao Morro de Santo Antônio.
O aqueduto foi construído em 1723 e tinha como objetivo conduzir a água do rio Carioca da altura do Morro do Desterro (atual bairro de Santa Teresa, para o Morro de Santo Antônio. A obra ajudaria a resolver o antigo e recorrente problema da falta de água na cidade. Os estudos para trazer as águas do rio Carioca para a cidade começaram nos primeiros anos do século XVII, mas as obras de instalação de canos de água no Rio de Janeiro só tiveram início um século depois.

Pizzaria Guanabara

A Pizzaria Guanabara é considerada por muitos a melhor pizza do Rio. Conhecida por funcionar até as 7h da manhã, é a preferida de dez entre dez boêmios cariocas. Localiza-se na Avenida Mem de Sá, no bairro da Lapa.


Fonte do Texto: Wikipedia e Wikirio

Um comentário:

  1. Oi Diego
    Pense na saudade dos nossos passeios,ficou faltanto nosso passeio no Jardim Botanico,pra proximas férias,certo?.
    Vendo as fotos do arpoador,fiquei lembrando no seriado Preamar, muito bom.
    bjs
    Mary Nilva

    ResponderExcluir